Para não dizer que não falei do amor

E já avisando que não tenho nada a declarar sobre a Copa.

Hoje é Dia dos Namorados, uma data comercial mas vale curtir o apelo.

Casei com o grande, verdadeiro e único amor da minha vida (sorte?).

Foi um encontro de almas e espero que seja para a vida inteira.

Théo se refere à gente como namorados, para ele casar = namorar.

Ele não quer saber de namoradinhas, mas já disse que cinco meninas gostam dele.

Quando eu canto Marisa Monte ele pergunta se a música é romântica.

Vejo que aos poucos ele vai percebendo que existe um sentimento mágico e encantador.

Eu sou uma eterna apaixonada e acho que o amor contagia e irradia boas energias.

O amor e  a paixão formam uma comunhão. A mitologia mostra essa relação: Eros, filho de Afrodite e Ares, ainda criança foi nomeado deus do amor. Mesmo criado com afeto, ele não cresceu. Continuou pequeno, rosado, bochechudo, com asas transparentes e face marcada por covinhas. Preocupada com a saúde do filho, Afrodite consultou Têmis. “O amor não pode crescer sem a paixão”. A mãe de Eros não entendeu o significado implícito da resposta da deusa da justiça, até o momento em que deu à luz a Anteros, deus da paixão, do amor compartilhado. Afrodite via que, junto com o irmão, Eros crescia um jovem esbelto e belo, porém, quando longe de Anteros, o deus do amor voltava a sua forma infantil.

Em “O Banquete”, Platão afirma que o amor é a principal motivação da filosofia. Mas convém distinguir com cuidado o amor egoísta e possessivo que persegue o outro como um objeto a devorar e o amor autêntico que liberta do sofrimento e do desejo e conduz  a alma ao banquete divino. Segundo o pensamento do filósofo, o amor verdadeiro – rapidamente saciado pelos alimentos sensíveis – só pode ser satisfeito pela contemplação, para além do belo, do verdadeiro e do bem.

Quem não sonha viver um grande amor? O verdadeiro amor é aquele que não pede nada em troca, pois o amor é uma doação e não uma exigência. Para ser amado, é essencial que você se ame. “Quando você ama a si próprio, amará os outros. E você só será capaz de amar os outros até o ponto e profundidade que ama a si próprio”, Leo Buscaglia.

Amar é deixar se levar pelas emoções, entregar-se sem garantias.

 casal-love-namorados

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s